11 dezembro 2010

maçã cúbica

depois que deletou a
conta no orkut nunca
mais nos comunicamos

estaria escondida no
facebook, divulgou o
wikileaks esta manhã

o mundo real parece
- como a infância -
cada x + ficcional

saudade dos "tablets"
de chocolate branco

pesquisei a palavra amor
em todos sites de busca

202.000.000 resultados em 0,09 segundos

"time after time"
na virtual radio;

entre chet e chat

eu

eu?

eu coletivo arriscamos
pegar uma caneta para

"passar a limpo"

numa época de inteligência coletiva
é díficil detectar a burrice individual

adão e
eva na
fila da

apple

os peixes de cristo caíram na world wide web
quero uma rede social preguiçosa para deitar
indígenas twittam do meio da floresta amazônica

lovets é um mini-software de uso instântaneo para amar

"sem o ipad minha vida
perdeu todo o sentido",
postou o pós-moderno

suicida

agora você pode ter um cérebro que não é seu
mas que pode ser acessado a qualquer hora e
lugar como se fosse por apenas 9 e 99 a hora.

"celular ultrapassado",
 teclou a menina
ainda no útero

a imaginação é um banco
de dados

corrompido

5 comentários:

t. disse...

gostei um bocado do jeito que escreves.

Juliana S. disse...

Supervalorização da inteligência virtual, banalização do amor, tecnologia que corrompe a imaginação...
justamente por isso teu blog torna-se tão magnífico, adorei a forma como se expressa e as questões que coloca em seus escritos.
Beijos

paranax disse...

t. e Juliana S. prazer (embora virtual) em encontrá-las neste espaço.

Só não sou tão radical ao ponto de negá-lo, pois através dele é que conseguimos estabelecer, por exemplo, a comunicação que se processa agora. Só não podemos restringir nossas existências a fazendas digitais ...

Acho que é possível fazer usos mais inteligentes, críticos, poéticos, desta parafernália que querem vender ao ser humano como essencial.

Essencial para mim é agua, ar, sol, terra e poesia ...

Marília disse...

Não tem jeito mais, ou estamos ou somos ignorantes. Bom, de uma forma ou de outra não é primordial em nossas vidas.

paranax disse...

Waly Salomão disse "a morada do ser poeta é o mundo eletrônico hoje".

Declaração pertinente e que permite uma reflexão sobre a poesia neste mundo de tantas "diversões eletrônicas", algumas extremamente revolucionárias, outras apenas produtos para consumo veloz e desenfreado para serem, em seguida, descartadas.